Confira a sinopse do Império da Tijuca para o Carnaval 2020 - Portal do Samba

Últimas Postagens

Portal do Samba

Portal do Samba - Carnaval todo dia!

10/06/2019

Confira a sinopse do Império da Tijuca para o Carnaval 2020







QUIMERAS DE UM ETERNO APRENDIZ

“A alegria não chega apenas no encontro do achado, mas faz parte do processo da busca. E ensinar e aprender não pode dar-se fora da procura, fora da boniteza e da alegria...”
(Paulo Freire)

Pessoas são capazes de mudar o mundo, mas somente livros são capazes de mudar as pessoas; pois é no dedilhar das “manchas” do papel que se pode construir um universo de coisas boas. Que caiam os que semeiam a ignorância para manter seu poder e que esteja sempre viva a esperança e a vontade de compartilhar o verdadeiro e justo saber.

Conclamados cavaleiros da educação, com livros nas mãos e o estandarte de um novo amanhã. Freire, Teixeira e Darcy se unem na batalha a Mascellani, Arroyo e Florestan, abrindo alas para um poeta andarilho, Evando dos Santos, que fez do seu próprio destino símbolo de bravura, guerreando pelo simples direito à leitura e que hoje é inspiração para o carnaval do Império da Tijuca.

Em seu Sergipe natal, Evandro viu já bem menino “o monstro sem alma”, como um cordel de Firmino Cabral. No agreste de sua vida, as margens do líquido Congo, se erguia entre os cortes do junco, acompanhando-o na lida. No bater de suas asas, roubava a infância do pequeno Zé Catraca, como era conhecido, e ainda bem jovem, andarilho, retirante se tornava. Eram as primeiras quimeras na qual duelava.

Depositou em um Rio a esperança de sua família e de seu próprio caminho. O menino, que pelo trabalho, o direito à escola foi impedido, foi encontrar na fé o prazer de ler, foi encontrar na bíblia a vocação para a lutar, pois “o Senhor é meu pastor, nada me faltará”. Com essas primeiras frases que conseguiu formar, encontrou nas ruas uma nova trajetória, por cinquenta livros reinventou a própria história. Entre achados e perdidos, um acervo construído: uma máquina do saber.

Tornou-se mestre de novos sonhos, fiel companheiro da literatura, vestiu sua armadura de Homem-Livro e se tornou peregrino da leitura. Construiu bibliotecas por um Brasil carente e seguiu em sua arqueologia das ruas, buscando doações e encontrando fascículos perdidos como os que ficaram na “Real” grande fuga.

A nobreza retirante trouxe à colônia seu acervo, mas, por cais e mares, uma parte se perdeu. Em terras tupiniquins, uma real biblioteca se ergueu. Entre missões artísticas, Imprensa Régia e as primeiras academias, a educação nesse chão nativo outra ótica teria. Se, na ancestralidade e tradição, antes se pautava, passou a construir ciência e ter como símbolo a figura do livro. Na terra do encontro de xamã, santo e orixá, uma Minerva entre eles passou a estar.



Científico, ganhou corpo; como literário, ganhou espaço. Passou a ser construído pelo seu próprio povo e conhecido por todo lado, ainda que seu acesso estivesse, a cada dia, negligenciado, categorizando gente por privilégios, construindo um tipo de ensino discriminado.

Trouxe os delírios de autores estrangeiros, foi símbolo de correntes nativas de pensamentos, costumes e visões. Os livros que guiaram a vida de Evando ganharam tirinhas, calçadas e corações. Entre Shakespeare, Cervantes e Neruda transitou. Por Vidas Severinas, Cortiços e Piamãs, quimeras literárias numa praça revelou. Mas, nas suburbanas estrelas das histórias, também está o caminho para a vitória alcançar, pois, como Tobias Barreto afirmava, “a vida é uma literatura e ler é lutar”.

Mas a educação não só de livros se forma. Ela se sente, se manuseia, ouve e se toca. Pela música o Homem-Livro enxergou novas formas de ensinar, e isso se deu também por meio do samba que é o próprio retrato do saber popular. E eis que seu primeiro Império teve, em si, a vocação educativa, ostentando em seu pavilhão o termo e trazendo conhecimento ao Morro da Formiga. Uma escola se construiu dentro de uma outra escola, pela tropa de José do Patrocínio, por oitenta anos fazendo história.

Se samba é poesia que balança, a agremiação é quem adereça o saber. No barro de Vitalino, educou pela arte; o Reino Independente do Nordeste a consciência social lutou para se ter. Trouxe a religiosidade e fez procissão com uma homenagem ao santo guerreiro em devoção; símbolo de pluralidade cultural, se tornou império Branzngola. Coroou-se, realizando um perolado e negro Batuk na escola. Faz de sua Utopia projeção para o futuro, com um amanhã mais seguro pra quem ensina e aprende, para que nossa gente tenha força, instrumentos e coragem para seguir em frente. Assim, nos armamos de livros, nos livramos de armas.

Hoje, o Império da Tijuca faz de seu samba instrumento de saber, voz ressoante, bandeira de luta, oceano sambista para um tsunami da educação, para que tantos outros homens-livros unidos lutem por uma nova nação. Propondo para o futuro acesso amplo à tecnologia, rompendo desigualdades de ensino para que haja inclusão. Sustentando um amanhã mais justo e plural, professor valorizado e respeito a todas as disciplinas sem “cortinas” de um poder elitizado. Dando as bases para que cada guerreiro tenha as armas do bem para vencer na batalha da vida. Que tudo isso comece, alegre e colorido, sambando na avenida, pois, como disse Cora Coralina, “feliz aquele que transfere o que sabe e aprende o que ensina”.
Texto e desenvolvimento: Guilherme Estevão


Nenhum comentário:

Postar um comentário