carnaval 2018

Confira a sinopse do enredo 2018 da Lins Imperial


ZICARTOLA

Abrem-se as portas do Zicartola. De repente, a multidão que estava aglomerada, depois de algumas horas de espera, consegue entrar. Também pudera, o bar é a coqueluche do momento. As longas filas são costume, mas só de conseguir ouvir A Voz do Morro, desde a rua dos Andradas, já nos dá uma boa ideia do que nos espera. Pés adentro, caminhamos entre as várias mesas espalhadas e nos sentamos escorados na parede ilustrada pelas fotos dos artistas que por aqui passam. Da porta da cozinha de dona Zica advém o delicioso cheiro de sua comida caseira e pelos ouvidos somos tomados pelas melodias cantadas pelos velhos sambistas.

E é ela que vem nos receber, dando as boas vindas e entregando o singular cardápio, ilustrado e assinado pelo característico HP de Heitor dos Prazeres. Até os nomes dos petiscos são detalhes à parte, como o docinho de coco à Eliseth Cardoso. Fazemos o pedido enquanto vejo Carlos Cachaça honrar o sobrenome. Chega à nossa mesa carne seca com abóbora, língua com purê de batata, feijão, sopa e pimenta. E sobe mais um no palco e desce mais cerveja pra gente.

E não demora pra percebermos que o Zicartola é muito mais que comida e samba. Aqui de tudo Acontece. Enquanto Clementina entoa jongos e lundus, Manelzinho Araújo toca choros, Nara Leão traz a bossa nova e João do Vale canta baiões e xaxados. Um mosaico da música popular brasileira. E num canto, Hermínio Bello de Carvalho lança seu novo livro. Outro dia, o lugar até sediou a festa de casamento do par que dá nome à casa. E dá gosto de olhar pros lados e ver essa mistura de gente: rapazotes estudantes conversando com antigos compositores, a turma da Zona Sul cantando com o povo da Zona Norte, gente de jeans com outros de terno e gravata. Um verdadeiro caldeirão multicultural.

Mas por maior que seja a esbórnia do recinto, o som do Zicartola não abafa o grito silenciado das ruas, em tempos de repressão. Pelo contrário. Aquilo que entra por nossa goela abaixo, passa a nos doer a cabeça e se torna ressaca (moral). No meio da farra, tomo um susto com o Vianinha, que sobe numa mesa e brada contra o governo retrógrado vigente, enquanto Sérgio Cabral protesta em favor dos desempregados. E as músicas vão ampliando seus significados, cantando a verdade que não pode ser dita. Dura a censura.

O ponteiro do relógio avança e como tudo que é bom dura pouco, quando me dou conta, já é tarde. O Sol Nascerá em instantes. Vou, junto dos meus, com sorriso no rosto, me despedir dos já cansados de tanto trabalho, Zica e Cartola, e pagar a conta, é claro, mas o divino não deixa.

 - Amigo meu não paga – sentencia o poeta

- Obrigado, mestre. Mas que isso não se torne hábito. Assim vai acabar falindo – advirto enquanto me despeço.

E as portas tristemente se fecham. Mas ficam as portas abertas para os talentos que lá despontaram, as canções que de lá saíram para ganhar o país. Prevalece a voz que se deu à Opinião. E assim o Zicartola permanece vivo, sobretudo a cada vez que nos reunimos para reviver aquelas noites de alegria. Você também é nosso convidado. Pode chegar, fique à vontade.

Texto: Tiago Ribeiro
Comissão de Carnaval: Claudio Fontes, Flávio Mello e Tiago Ribeiro.

Sobre Portal do Samba

0 comentários:

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.