Carnaval 2016

Confira a sinopse do enredo da Vila Isabel para o Carnaval de 2016


Memórias do Pai Arraia - Um sonho pernambucano, um legado brasileiro
 
Lembro, quando menino,
de ver o flagelo de perto, na minha terra natal.
A miséria batia à minha porta:
um povo sofrido me estendia as mãos, como pedinte.
Eram filhos da seca vindos dos áridos sertões,
que deixaram pelo caminho suas esperanças.

Anos se passaram e, já nos braços do povo,
fui conduzido a assumir a responsabilidade
de dar a ele voz e dignidade.
Na periferia de Recife, paisagens desoladas.
A pobreza mora na lama, nos mangues,
se equilibrando em palafitas.

No meu tempo, agi como um juiz,
numa questão em meio aos canaviais.
Para inverter as injustiças,
promovi o "Acordo do campo",
numa época em que era preciso "Reformar".
Por tais ações, tive daquela gente
comovente gratidão.
Buscavam em mim, mais que um amigo,
mais que um irmão,
e deram-me a alcunha de "Pai Arraia",
como gesto de candura e devoção.

Lembro dos ensinamentos de Paulo Freire
e da fé de D. Helder Câmara.
Com o apoio dos queridos amigos,
educadores, artistas, e intelectuais,
surgiu um grande "Movimento", o MCP,
para despertar as massas,
que pela educação iriam se libertar.

Valorizando a cultura e mantendo as tradições,
todas as artes se apresentaram nas praças,
congraçando as classes.

Hoje seus cantos e danças "fervem"
e tomarão a Passarela do Samba,
com batuques soltos e sonoros,
com maracatus de baques soltos e virados,
nesta festa popular.

Mesmo não estando entre vós,
deixo minhas lembranças e o meu legado,
no ano do meu centenário,
num carnaval de sonho, com a Vila a comemorar.

"Eu comecei a ter consciência política... Um sentimento político que me veio, sobretudo da seca de 1932... Eu não entendia, aquilo era pra mim, uma brutalidade tal, que ficou na minha cabeça... Procurei tomar consciência dos motivos que davam lugar a essa condição tão violenta..."
(Depoimento de Miguel Arraes para o documentário MIGUEL ARRAES, O GUERREIRO DO POVO)

"Que é muito difícil você vencer a injustiça secular, que dilacera o Brasil em dois países distintos: o país dos privilegiados e o país dos despossuídos."
(Ariano Suassuna)

"Quando se sonha só, é apenas um sonho, mas quando se sonha com muitos, já é realidade. A utopia partilhada é a mola da história."
(D. Helder Câmara)

"Se a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda."
(Paulo Freire)

Texto de Alex de Souza e Martinho da Vila

Sobre Portal do Samba

Tecnologia do Blogger.